jusbrasil.com.br
29 de Novembro de 2021

5 livros sobre os crimes que mais chocaram o país

Clube Do Conhecimento
Publicado por Clube Do Conhecimento
há 2 meses

Ver a imagem de origem

Nos últimos anos vários crimes chocaram o país, porém muitos caíram no esquecimento popular e poucas pessoas sabem como foi o desfecho da maioria deles , por isso separamos 5 livros que contam tudo sobre alguns dos crimes mais famosos e impactantes ocorridos em solo brasileiros.

5º Lugar: Indefensável: O goleiro Bruno e a história da morte de Eliza Samudio

Livro destinado a muita polêmica e grande imprensa, esta reportagem, escrita como thriller policial, disseca a macabra trama – planejada e calculada com rara frieza pelo então maior goleiro do Brasil, Bruno, do Flamengo – que resultaria na morte da jovem Eliza Samudio, em junho de 2010.

Nada escapa: num ritmo frenético, verdadeiramente cinematográfico, está tudo lá, desde a concepção da armadilha que capturaria a modelo, a execução do sequestro e o desaparecimento da jovem até o teatro dos julgamentos e a condenação dos responsáveis.

A ação é entremeada de capítulos, de fina percepção psicológica, que mergulham nos perfis dos principais envolvidos, sobretudo Eliza, Bruno e Macarrão (braço direito do goleiro), mostrando-os desde a infância até, no caso do jogador, o sucesso e as conquistas profissionais. As passagens que recriam o ambiente de bastidor do Flamengo – a relação entre os craques, Adriano entre eles, e a vida de farra sem limites que levavam – são extraordinárias.

Link para ler a obra: https://amzn.to/3io3RWQ

4º Lugar: Todo Dia a Mesma Noite: A história não contada da boate Kiss

Reportagem definitiva sobre a tragédia que abateu a cidade de Santa Maria em 2013 relembra e homenageia os 242 mortos no incêndio da Boate Kiss.

Daniela Arbex reafirma seu lugar como uma das jornalistas mais relevantes do país, veterana em reportagens de fôlego — premiada por duas vezes com o prêmio Jabuti — ao reconstituir de maneira sensível e inédita os eventos da madrugada de 27 de janeiro de 2013, quando a cidade de Santa Maria perdeu de uma só vez 242 vidas.

Foram necessárias centenas de horas dos depoimentos de sobreviventes, familiares das vítimas, equipes de resgate e profissionais da área da saúde — ouvidos pela primeira vez neste livro —, para sentir e entender a verdadeira dimensão de uma tragédia sobre a qual já se pensava saber quase tudo. A autora construiu um memorial contra o esquecimento dessa noite tenebrosa, que nos transporta até o momento em que as pessoas se amontoaram nos banheiros da Kiss em busca de ar, ao ginásio onde pais foram buscar seus filhos mortos, aos hospitais onde se tentava desesperadamente salvar as vidas que se esvaíam. Foi também em busca dos que continuam vivos, dos dias seguintes, das consequências de descuidos banalizados por empresários, políticos e cidadãos.

A leitura de Todo dia a mesma noite é uma dolorosa e necessária tomada de consciência, um despertar de empatia pelos jovens que tiveram seus futuros barbaramente arrancados. Enxergá-los vividamente no livro é um exercício que afasta qualquer apaziguamento que possamos sentir em relação ao crime, ainda impune.

Link para ler a obra: https://amzn.to/3itmk4h

3º Lugar: O pior dos crimes: A história do assassinato de Isabella Nardoni

A história completa do assassinato que chocou o Brasil. Construído em ritmo de thriller, O pior dos crimes esmiúça o caso da trágica morte de Isabella Nardoni, que conseguiu estarrecer a opinião pública de um país rotineiramente violento.

Em 29 de março de 2008, a menina de 5 anos foi atirada ainda com vida pela janela do apartamento do pai, Alexandre Nardoni, e da madrasta, Anna Carolina Jatobá, localizado no sexto andar de um edifício na zona norte de São Paulo. Isabella chegou ao hospital com vida, mas morreu pouco depois. O que se seguiu foram uma investigação e um processo repletos de pistas mal perseguidas, depoimentos de suspeitos com "pegadinhas", uso de informações falsas, pressões indevidas para a obtenção de confissões, perícias criminais deficientes, um Ministério Público empolgado com os holofotes e dúvidas transformadas em certezas.

Um dos mais importantes repórteres policiais de sua geração, Rogério Pagnan não se contentou em detalhar o caso. O autor foi além, enfrentando questões urgentes e ainda pouco debatidas no Brasil a respeito da natureza e dos limites de um processo judicial, o que torna esta obra, desde já, imprescindível no campo do Direito. Aqui estão expostos os vícios que alimentam uma engrenagem burocrática investigatória abaixo das necessidades de um país com seus 60 mil homicídios ao ano.

Em O pior dos crimes, Pagnan demonstra o que sempre se espera dos grandes repórteres em quaisquer circunstâncias: cético sem ser cínico, afirmativo sem ser leviano, ágil sem ser superficial. Sua extensa pesquisa sobre detalhes do processo, contrapondo argumentos da acusação e da defesa, produziu uma peça da mais alta qualidade e mais alto interesse jornalísticos, que merece ser lida por todos que se interessam por investigação policial, sistema judicial, crime e castigo.

Se o caso Nardoni representou ou não um erro judicial, se houve elementos suficientes para uma condenação "acima de qualquer dúvida razoável", o leitor será capaz de dizer a partir da leitura deste instigante livro-reportagem.

Link para ler a obra: https://amzn.to/3A4PQDp

2º Lugar: Elize Matsunaga: A mulher que esquartejou o marido

Elize Araújo Kitano Matsunaga era cheia de sonhos. Na infância, almejava sair do interior do Paraná em busca de uma vida melhor na capital. Mudou-se para Curitiba e escolheu ser prostituta de luxo. Entre um programa e outro, pensava em ser resgatada da vida degradante por um homem romântico, casar-se e ser mãe.

Todos os seus desejos foram realizados. Ela subiu ao altar com o empresário Marcos Matsunaga em outubro de 2009. A tão sonhada filha nasceu em 2011. Seu mundo caiu um ano depois, quando resolveu dar um tiro na cabeça do marido, dentro da sala do apartamento em que moravam, e esquartejá-lo em sete pedaços usando uma faca de cozinha. Em seguida, colocou as partes do corpo em sacos de lixo e fez a desova numa mata de beira de estrada, onde foram devoradas por cachorros e urubus.

O crime chocou o país. Na hora de confessar o delito, Elize disse que matou porque estava sendo traída e vivia sob constante ameaça de ficar longe da filha. E usa o amor materno para justificar a brutalidade de seu ato. “Não queria ser presa e ficar longe dela”, argumentou. Depois de matar o pai da sua filha, Elize iniciou uma saga para receber o perdão da menina. “Um dia, filha, quero te contar pessoalmente tudo o que aconteceu naquele apartamento. Mas, se você não me perdoar, eu entenderei”, escreveu. A menor, com 10 anos em 2021, já conhecia toda história da mãe assassina.

No documentário intitulado Elize Matsunaga – Era uma vez um crime (Netflix), a viúva fala do sentimento de ter dado um tiro na cabeça do marido, mas omite os detalhes brutais do esquartejamento. “Há segredos na vida que a gente leva para o túmulo”, anunciou na TV. Os segredos que Elize quer enterrar com a sua morte estão revelados nas páginas desta obra.

Link para ler a obra: https://amzn.to/3Bb35Uw

1º Lugar: Suzane: assassina e manipuladora

Suzane assassina e manipuladora por Ullisses Campbell

Em 30 de outubro de 2002, ela abriu a porta de casa para guiar os matadores dos seus pais. Enquanto dormiam, Manfred e Marísia morreram com dezenas de pauladas, desferidas pelo namorado de Suzane e pelo irmão dele, Daniel e Cristian Cravinhos.

O crime abalou o país. Pela monstruosidade, a assassina recebeu dois vereditos: o primeiro saiu do Tribunal do Júri em 2006, quando foi condenada a 39 anos de cadeia. A segunda sentença foi proferida pelo Tribunal do Crime, existente dentro das penitenciárias. A comunidade prisional não perdoa pedófilos, estupradores, nem filhos que matam os pais.

A menina rica, branca e de cabelos loiros foi condenada. As mulheres sanguinárias do PCC receberam a missão de matá-la dentro da Penitenciária Feminina da Capital, ainda nos anos 2000. Esperta, extremamente manipuladora, Suzane sobreviveu.

Este livro esquadrinha o caminho que a criminosa trilhou desde que foi presa pela primeira vez até o momento em que começou a sair da prisão. Para detalhar a vida da assassina, o repórter Ullisses Campbell realizou dezenas de entrevistas e mergulhou nos emaranhados universos do Direito Penal e da Psicologia Forense. A obra mostra uma Suzane que deseja se casar no religioso, virar pastora evangélica e que nutre um sonho agora revelado.

Link para ler a obra: https://amzn.to/2Yn0Y1r

INDICAÇÃO BÔNUS: ARQUIVOS SERIAL KILLERS

"Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel e Made in Brazil" é o primeiro dos relançamentos comemorativos dos 5 anos da editora Darkside. Os dois livros, "Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel?" e "Arquivos Serial Killers: Made in Brazil", reunidos num único volume de luxo, com mais de 700 páginas de investigação.

Para escrever "Louco ou Cruel?", a escritora mergulhou em arquivos da polícia e da Justiça, do FBI e da Scotland Yard, além de ter feito uma pesquisa rigorosa em diversas outras fontes para compor um inquietante roteiro de como, por que razão e com que métodos os serial killers agem.

Em "Made in Brazil", Casoy dedicou-se a investigar os serial killers brasileiros, no que viria a ser o primeiro livro do gênero dedicado aos assassinos em série do Brasil. Foram cinco anos de pesquisas, visitas a arquivos públicos, manicômios e penitenciárias, além de entrevistas cara a cara com personificações do mal em terras tupiniquins, para produzir um dossiê sobre o lado mais sombrio do ser humano. Perturbador e por muitas vezes comovente, o relato de Casoy nos apresenta histórias que nem a ficção e o cinema conseguiram imaginar.

Link para ler a obra: https://amzn.to/3omlAlc

..

Essas foram as indicações de hoje, deixe nos comentários sua opinião sobre os livros indicados.

Siga nossas redes sociais:

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Eu não consigo entender como a mãe da Suzane que era psiquiatra não conseguiu enxergar o lado maligno da sua filha. continuar lendo

faltou lançarem a do lindemberg continuar lendo